OS INICIADOS – ARTHUR RIMBAUD


miguel westerberg

miguel westerberg

miguel westerberg

miguel westerberg

miguel westerberg

miguel westerberg

 
Estranhos à nevasca e ao brumado,
Em torno do respiradouro aluminado,
Agrupados,

Ajoelhados, cinco petizes – miséria! –
Espreitam o Padeiro que fabrica a féria:
O Pão fulvo e pesado.

Observam o vigor do forte braço branco
Que introduz a massa branca
No forno brilhante.

E pressentem o bom pão que chia.
O Padeiro, sorrindo de alegria,
Bufa resfolegante.

Agora, acocorados, imotos semoventes,
Sentem o hálito do respiradouro, ardente
Como um colo fogoso.

Quando, na vigília da meijoada,
Tira-se a fornada modelada
Em brioche untuoso,

Quando, sob esfumaçados tetos,
Cantam grilos
E crostas perfumosas,

Quando, enfim, o forno quente despeja a vida,
Suas almas estão já tão seduzidas,
Sob vestes andrajosas,

E tanto se comovem vivendo,
Estes pobres Cristos na geada perecendo,
Que lá estão,

Colando suas carinhas afogueadas
À treliça – coisas cochichadas
Por entre vãos –

Todo animais, fazendo preces,
Recurvados tão intensamente para as luzes
Daquele paraíso artificial,

Que rasgam as calças
E suas camisas esvoaçam
Ao vento invernal.

ARTHUR RIMBAUD

~ por miguelwest em 29 de Julho de 2009.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: