O pintor adormeceu


.
As águas correm apresadas
Dentro de mim, como um ribeiro revoltado…
Tento esconder minhas dores
Enganando a vida e a morte.
.
Durante a madrugada dou voltas em meu leito
Misturo memórias com sonhos impossíveis,
Quando o meu coração que se tornara todo ele trevas.
.
Quem sou eu hoje?…
Porque ainda persisto em viver,
Amar e ser amado,
Ou sorrir sem causa?…
.
Interrogar tornou se para mim a coisa mais banal…
Os meus sonhos são tão eternos que nem os alcanço,
O meu coração nada mais vê e sente.
Aqueles que passam por mim e acreditam em mim,
Não sabe que sou apenas um homem
Que já morreu e com eles caminha perdido
Entre as brumas deste estranho tempo.
.
Mais tarde ou mais cedo o sol sobre mim se vai por…
Porque tardas em por te ó sol?…
O pintor adormeceu e pintou o seu ultima tela.
.
Miguel Westerberg

~ por miguelwest em 28 de Novembro de 2007.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: